sábado, 31 de agosto de 2013

Cautelas contra o Demônio, por São João da Cruz (I)



São João da Cruz adverte aos Tradicionalistas ou Neoprotestantes em geral e a todos em particular.

  Nos chamados "Pequenos Tratados Espirituais", de São João da Cruz, Reformador do Carmelo, encontramos as "Cautelas" que ele ensinava à seus discípulos para serem usadas contra "os três inimigos da alma", que são, como nos ensina o Catecismo: "o mundo, o demônio e a carne."
De todas as "cautelas" ensinadas por São João da Cruz, gostaria de me deter na segunda cautela contra o Demônio, por me parecer a que mais é negligenciada nestes tempos, e por ser a que mais danos causa ás almas e à Igreja em geral.
"Segunda cautela contra o Demônio
"Seja a segunda cautela no sentido de jamais considerares o prelado menos que Deus, seja ele quem for, pois foi constituído em seu lugar. Acautela-te neste ponto, pois o demônio, inimigo da humildade, mete muito aqui a mão. E considerando o prelado do modo acima dito, será grande o bem e o aproveitamento que te advirão, e não sendo assim, grande a perda e o dano. E, portanto, põe-te cuidadosamente de sobreaviso para não considerares a sua índole, o seu trato, a sua aparência, nem outras maneiras suas de proceder; porque com isso far-te-ás tanto dano que virás a mudar a obediência de divina em humana, movendo-te ou não, apenas pelos modos que puderes observar visivelmente no prelado, e não por Deus invisível, a quem nele serves. E a tua obediência será vã ou tanto mais infrutuosa quanto mais te magoares com a índole adversa do teu prelado, ou com a sua índole agradável, te alegrares. Asseguro-te que por haver o demônio feito com que considerassem as coisas por esse prisma, induzindo a por os olhos nestas exterioridades, acerca  da obediência, conseguiu arruinar na perfeição a muitíssimos religiosos, e seus atos de obediência são de muito pouco valor diante de Deus."(São João da Cruz - Obras Completas - Carmelo Descalço do Brasil - Editora Vozes - 1984 - Pequenos Tratados Espirituais - págs. 117-118).
O Papa Francisco e os Bispos a ele unidos são nossos Prelados, a quem devemos considerar segundo essa cautela para melhor servirmos Deus que está neles e que eles representam.











domingo, 18 de agosto de 2013

Papa Francisco recorreu à Nossa Senhora de Medjugorje???


 


Caros amigos, teria o Papa Francisco recorrido à Nossa Senhora de Medjugorje, Rainha da Paz, no Ângelus de 15/08/13?
Assinalamos em vermelho as palavras com as quais ele teria recorrido à Rainha da Paz, que a 32 anos está aparecendo em Medjugorje, e que já converteu milhões de pessoas, inclusive ateus, judeus, ortodoxos e muçulmanos.
Seria uma súplica à Medjugorje, a Rainha da Paz, por meio de restrição mental???
Teria o Papa pensado em Medjugorje quando recorreu à Rainha da Paz, implorando a Paz para o mundo???
Se foi isso, os acontecimentos de Medjugorje tomarão novas forças, pois Nossa Senhora não deixará sem resposta a apelação do Papa, o mais querido de seus filhos.
Regina Pacis, ora pro nobis!
In Iesu.


http://papa.cancaonova.com/angelus-com-o-papa-francisco-15082013/

Angelus com o Papa Francisco – 15/08/2013

Íntegra

quinta-feira, 15 de agosto de 2013, 12h00

Angelus 
com o Papa Francisco - 15/08/2013
ANGELUS
Praça da Liberdade – Castel Gandolfo
Quinta-feira, 15 de agosto de 2013
Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal
Queridos irmãos e irmãs,
Ao término desta Celebração nos dirigimos à Virgem Maria com a oração do Angelus. O caminho de Maria rumo ao Céu começou com aquele “sim” pronunciado em Nazaré, em resposta ao Mensageiro celeste que lhe anunciava a vontade de Deus para ela. E na realidade é justamente assim: cada “sim” a Deus é um passo rumo ao Céu, rumo à vida eterna. Porque o Senhor quer isto: que todos os seus filhos tenham a vida em abundância! Deus nos quer todos consigo, na sua casa!
Aparecem infelizmente notícias dolorosas do Egito. Desejo assegurar a minha oração por todas as vítimas e s seus familiares, pelos feridos e por todos os que sofrem. Rezemos juntos pela paz, pelo diálogo, pela reconciliação naquela querida Terra e no mundo inteiro. Maria, Rainha da Paz, rogai por nós: todos digamos: Maria, Rainha da paz, rogai por nós.
Desejo recordar o 25º aniversário da Carta Apostólica Mulieris dignitatem, do Beato Papa João Paulo II, sobre a dignidade e a vocação da mulher. Este documento é rico de ideias que merecem ser retomadas e desenvolvidas; e na base de tudo está a figura de Maria. Façamos nossa a oração presente no fim desta Carta Apostólica (cfr n.31): a fim de que, meditando o mistério bíblico da mulher, condensado em Maria, todas as mulheres encontrem a si mesmas e a plenitude da sua vocação e em toda a Igreja se aprofunde e se entenda mais o tão grande e importante papel da mulher!
Agradeço a todos os presentes, moradores de Castel Gandolfo e peregrinos! Agradeço vocês, moradores de Castel Gandolfo: muito obrigado! E todos os peregrinos, em particular aqueles de Guiné com o seu Bispo.
Saúdo com afeto as alunas do Colégio Pasionista “Michael Ham” de Vicente López, Argentina; bem como os jovens da banda de música do Colégio José de Jesus Rebolledo de Coatepec, México.
E agora, todos juntos, rezemos à Maria:
Angelus Domini…
Desejo a vocês boa festa hoje, dia de Maria: boa festa e bom almoço!











domingo, 11 de agosto de 2013

A Profecia de São Francisco de Assis!

O site "Nossa Senhora de La Salette e suas Profecias" publicou a seguinte profecia de São Francisco de Assis, que reproduzimos com alguns comentários em vermelho.


Posted: 26 May 2013 09:00 PM PDT
São Francisco, Verona
São Francisco, Verona
Pouco antes de morrer, São Francisco de Assis convocou seus seguidores e os alertou de problemas vindouros, dizendo:
“Célere se aproxima o tempo no qual haverá grandes provas e aflições;
 perplexidades e discórdias, tanto espirituais como temporais, virão em abundância; a caridade de muitos esfriará, enquanto a malícia dos ímpios aumentará. Tudo isso já encontramos hoje: uma grande catástrofe espiritual e temporal: crise no campo da fé e crise no campo da economia. A Caridade de muitos, não porém de todos, esfriará. Sem Caridade, como disse o Beato João Paulo II, não há conversão nem salvação. Bento XVI pregou incansavelmente a Caridade e Francisco, o Papa atual, continua o Magistério de Bento XVI. Como poucos aderem ao Magistério Petrino com entusiasmo e fidelidade, Magistério que quer reacender com maior vigor a virtude do Amor nas almas, ocorre então a crise da Caridade. Enquanto isso, ou seja, enquanto o Amor de Deus não é a luz que orienta a maioria dos Católicos, o mau impera e prospera.

Os demônios deterão um poder incomum; a imaculada pureza de nossa Ordem, e de outras, será tão enegrecida que bem poucos cristãos ainda obedecerão ao verdadeiro Pontífice Soberano e à Igreja Romana com corações leais e caridade perfeita. Esse poder incomum nós já assistimos; a Ordem Franciscana e as outras Ordens já estão sofrendo grandes crises de fé. São Francisco fala que nesse tempo poucos cristãos ainda obedeceriam ao "verdadeiro Pontífice Soberano e à Igreja Romana com corações leais e caridade perfeita." A Igreja está dividida pela discórdia. São poucos os que obedecem ao Papa. Uns não obedecem porque seguem a maldita teologia da libertação, outros não obedecem o Papa porque se proclamam defensores da sã doutrina (não sei como pode ser sã a doutrina que desobedece ao Papa), outros não obedecem o Papa porque o chamam impostor ou o julgam como falso Papa.
São Francisco chama de "verdadeiro" à esse Pontífice, para salvar do erro àqueles que viriam a chamá-lo de falso ou proclamar que a Santa Sede estaria vacante, o que é impossível.
Portanto, será verdadeiro o Pontífice que Reinará em meio à crise vislumbrada por São Francisco.
O Papa Francisco é, portanto, verdadeiro Papa, e não falso Papa, detém as Chaves do Reino dos Céus, e não é um capitulador, como afirmam certas fontes tradicionalistas.

“Na época dessa tribulação, um homem não canonicamente eleito será elevado ao Pontificado, que, com sua astúcia, empenhar-se-á em levar muitos ao erro e à morte. Os Sedevacantistas afirmam que Paulo VI, João Paulo II, Bento XVI e Francisco não são Papas. São Francisco se refere a eles afirmando que são "verdadeiros" Pontífices, não falsos como dizem. Pelo que se saiba todos esses Papas rechaçados pelos Sedevacantistas foram Canonicamente Eleitos, houve o Conclave com os Rituais Prescritos e Bulados em todas as eleições.  Essa profecia não pode se aplicar, portanto aos últimos Papas.
Esse falso Pontífice que aparecerá na época da grande tribulação não pode ser um falso Papa, e esta profecia não pode ser aplicada aos últimos Papas, pois todos eles foram Canonicamente eleitos. Aplica-se mais ao Cisma Lefevre, que em 1988 realizou Sagrações Episcopais não canônicas. Aplica-se também ao cisma Sedevacantista. Estes "não obedecem ao verdadeiro Pontífice Soberano e à Igreja Romana com corações leais e caridade perfeita." São Francisco chama de "verdadeiro Pontífice" ao Papa que eles não obedecem. Não obedecem ao verdadeiro Papa porque o rejeitam como falso. Não obedecem à Igreja de Roma porque estão no cisma. O cisma é um pecado contra a caridade, ensina Santo Tomás de Aquino.

“Então escândalos se multiplicarão, nossa Ordem se dividirá, e muitas outras serão totalmente destruídas, porque aprovarão o erro ao invés de combatê-lo. Escândalos já os temos por toda parte, sobretudo o escândalo da pedofilia no clero. A Ordem Franciscana já se dividiu e deu origem à vários ramos, muitos dos quais querem voltar ao primitivo espírito da Ordem. As novas ramificações da Ordem de São Francisco buscam as origens, voltar à fidelidade de seu Fundador. São Francisco disse que sua Ordem se dividiria no fim dos tempos, em busca da santidade, mas disse que as outras seriam destruídas por causa dos erros que correrão solto no fim dos tempos.

Extase de São Francisco, El Greco
Extase de São Francisco, El Greco
“Haverá uma tal diversidade de opiniões e cismas entre as pessoas, os religiosos e o clero, que, se aqueles dias não fossem abreviados, segundo as palavras do Evangelho, até os eleitos seriam levados ao erro, se não fossem guiados, em meio a tão grande confusão, pela imensa misericórdia de Deus. Como exemplo para "cismas" cito os Tradicionalistas e os Sedevacantistas e os Modernistas e os Progressistas. O "erro" ao qual o Anticristo quer a todos levar é o pecado contra a Caridade, contra o Mandamento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Mas os que nestes tempos funestos serão preservados do "erro", serão "guiados pela imensa MISERICÓRDIA DE DEUS." Isso significa que os Prelados dos fins dos tempos serão Imagens Vivas da Misericórdia de Deus, serão para a humanidade afundada num mar de misérias e pecados a face viva da Misericórdia do Pai. Guiados pela Misericórdia de Deus, ou seja, por essa doutrina, eles escreverão "Dives in Misericórdia", "Deus Caritas est", "Lumen Fidei" e tantos outros escritos que proclamariam ao mundo envelhecido no pecado o Deus que é Amor e Misericórdia. "Onde mais superabundou o pecado, mais superabundou a graça"(S.Paulo). Ou ainda: "Deus encerrou todos no pecado, para ter misericórdia deles todos!"(S. Paulo). Leiam as homilias do Papa Francisco para constatar que quem guia ele é a Misericórdia de Deus, pois nos seus escritos encontramos a Misericórdia e o Amor de Deus profusamente. A Misericórdia de Deus é a Espiritualidade e a vida dos Papas dos últimos tempos. Portanto, tenhamos confiança incondicional no Papa Francisco e nos seus Predecessores, e rejeitemos toda orientação que queira por em dúvida o Santíssimo Magistério destes Papas Canonicamente Eleitos.
“Então nossa Regra e nosso modo de vida serão violentamente combatidos por alguns, e provas terríveis virão contra nós. Teologia da Libertação, Tradicionalismo, Sedevacantismo, correntes que combatem violentamente a fidelidade ao Papa.

“Os que permanecerem fiéis receberão a coroa da vida; mas ai dos que, confiando somente em sua Ordem, caírem em mornidão, pois não serão capazes de suportar as tentações permitidas como teste para os eleitos. Um chamado contra a tibieza. Essa crise será para os bons uma tentação. Ora, não precisa sair da Igreja para não cair em tentação, pois a tentação não é pecado, pecado é consentir nela. Assim, é possível conviver na Igreja em meio à crise, e até mesmo participar de Missas cheias de abusos litúrgicos, cheias de erros e de profanações, pois esses abusos e essas profanações serão para os bons apenas tentações, com as quais eles não consentirão, mas as sofrerão em união com Jesus Cristo, praticando a Caridade e rezando pela salvação de todos os seus irmãos caídos em erros.

“Os que perseverarem em seu fervor e mantiverem sua virtude com amor e zelo pela verdade sofrerão injúrias e perseguições como rebeldes e cismáticos. A crise de fé e os abusos na liturgia serão as tentações que como àgua fria serão causa para tentar esfriar o fervor dos bons nestes tempos. São Francisco os chama a perseverarem na oração e no fervor e a manterem sua fidelidade com AMOR e zelo, isto é, não esfriar na virtude da Caridade, unir-se aos Papas destas épocas e transformarem-se em viva Caridade de Deus para com seus irmãos pecadores.
Nenhum pecado justifica o pecado de cisma. Assim como Jesus suportou os pecados de todos, também os cristãos dos últimos tempos deverão suportar os pecados e escândalos dentro da Igreja, e não fora dela, como fazem os tradicionalistas e os sedevacantistas. Cismático é quem está fora e não dentro da Igreja. Os tradicionalistas nos acusam de hereges e cismáticos, mas isso não é verdade. Somos e sempre seremos fiéis ao Papa, e hoje ao Papa Francisco. Somos fiéis ao Papa que está vivo no meio de nós, não à um Papa ideal, do passado, que já morreu, e que agora no céu reza para que sejamos um só com o Papa atual.

“Pois seus perseguidores, instigados por espíritos malignos, dirão que prestam um grande serviço a Deus eliminando aqueles homens pestilentos da face da terra.  Aqueles que combatem os que ficarão fiéis aos Papas da futura crise julgam, equivocadamente, prestar grande serviço à Deus, mas pelo cisma prestam, na verdade, um grande desserviço a Deus, pois a Caridade e a Misericórdia não é a luz (doutrina) que os guia. 

“Mas o Senhor será o refúgio dos aflitos, e salvará todos que nEle confiarem. Esse Senhor só pode ser a Divina Eucaristia. Portanto, comunguemos com maior confiança em Jesus, que nossas comunhões sejam nossa única salvação e única solução para todas as nossas causas e necessidades. Façamos ação de graça depois da comunhão, pois quem não faz ação de graças não comungou com plena confiança. Jesus nos ama e quer ser nossa salvação na Eucaristia, em cada comunhão. Ele é o Pão da Vida. Sem Ele é impossível fazer qualquer coisa, sem a comunhão nada podemos fazer! Mas temos que fazer a ação de graças! Isso é polêmico, mas não podemos receber Jesus e não conversar com Ele, não podemos comungar e desprezar Jesus, não lhe dando a devida atenção.



“E a fim de se assemelharem a seu Mestre [Cristo], esses eleitos agirão com total confiança e com sua morte obterão para si mesmos a vida eterna. Os Papas dos últimos tempos serão semelhantes a Jesus, em Amor e Misericórdia. Serão guiados pelo AMOR, e eles mesmos serão imagens vivas deste AMOR. Encontra-se a morte em quem não pratica a Caridade. Encontra-se a vida em quem pratica a Caridade. Encontrarão a morte aqueles que não tiverem vez no coração de seus irmãos. Nosso Papa está vivo, mas no coração dos tradicionalistas e dos sedevacantistas e dos modernistas ele está morto, porque não tem vez com eles, é excluído e condenado por eles, e isso equivale á morte. Também nós podemos encontrar a morte no coração de muitos irmãos que nos rejeitam, e nós podemos também dar a morte a muitos irmãos que nós condenamos. Tenhamos em nós a vida, não a morte, amemos nossos irmãos como Jesus nos amou. Permaneçamos firmes na Caridade, em comunhão com o Papa Francisco, e amemos nosso próximo. 

“Escolhendo obedecer a Deus e não aos homens, eles não terão medo de nada e preferirão perecer a aprovar a falsidade e a perfídia. Deus é Amor, e Amor deve ser sua Justiça. Os homens nos pedem para fazer justiça, mas a justiça dos homens não é a justiça de Deus, a justiça de Deus é a Cruz, é a Caridade, pois foi a Caridade que pregou Cristo na Cruz, pois se não fosse a Caridade, Deus teria destruído todos os seus inimigos. Firme é a doutrina na qual permanece o Papa, essa doutrina é a doutrina do Amor, que os homens (tradicionalistas e sedevacantistas) exigem que ele abandone. O Papa é guiado por Deus, pela Misericórdia, não pode atender à esses homens que querem que ele faça a Igreja infalível errar. Querem que o Papa condene o Concílio Vaticano II e a Missa Nova. Ora, se o Papa fizer essa condenação, estará admitindo que a Igreja errou, e a Igreja não erra, é dogma de fé. Querem que o Papa atente contra o dogma. O Papa prefere perecer no coração destes, que desobedecer a Deus. Jamais o Papa fará essas condenações. A solução é a hermenêutica da reforma na continuidade, ensinada por seu Predecessor Bento XVI.

“Alguns pregadores manterão silêncio sobre a verdade, e outros a calcarão sob os pés e a negarão. Não tenhamos medo da verdade. O silêncio é imposto pela falta de Caridade. Tenhamos Caridade e não prenderemos a Verdade.

A santidade de vida será desprezada até pelos que exteriormente a professam, pois naqueles dias Jesus Cristo lhes dará não um verdadeiro pastor, mas um destruidor.” A santidade de vida será desprezada até pelos que a professam exteriormente. Isso não se aplica aos modernistas, pois eles são contra a santidade de vida mesmo exteriormente. Isso aplica-se aos tradicionalistas que professam e defendem um modo de vida santa. A santidade de vida só é possível na Caridade, sem Caridade não há santidade, sem Caridade somos como "simbalo que tine"(cf. I Coritntios 13,1ss).
Esse falso pastor não pode ser o Papa, mas aquele que opõe-se ao Papa, aquele que com sua doutrina do erro, que é a falta de caridade, destrói a obediência ao Papa.
In Iesu.
“Works of the Seraphic Father St. Francis Of Assisi”, Washbourne, Londres, 1882, pp. 248-250, com Imprimatur do bispo de Birmingham, D. William Bernard
“Works of the Seraphic Father St. Francis Of Assisi”, Washbourne, Londres, 1882, pp. 248-250, com Imprimatur do bispo de Birmingham, D. William Bernard(Fonte: “Works of the Seraphic Father St. Francis Of Assisi”, Washbourne, Londres, 1882, pp. 248-250, com Imprimatur do bispo de Birmingham, D. William Bernard).
Ao lado, reproduções do original inglês. CLIQUE NELAS PARA AMPLIAR.






















Encontrar-se com Jesus nos pobres!


http://4.bp.blogspot.com/-haABuaY0BSc/UYlPcpHdu_I/AAAAAAAAGDg/HcpMyW5rS24/s320/PAPA+FRANCISCO+I+(1).png

Papa Francisco: "Precisamos edificar, criar, construir, uma cultura do encontro"

O Santo Padre enviou uma vídeo-mensagem para os fiéis reunidos no santuário de São Cayetano em Buenos Aires

Roma, 07 de Agosto de 2013 (Zenit.orgRedacao | 

O santuário de São Caetano, patrono na Argentina do “Pan e del Trabajo” encontra-se no bairro Liniers de Buenos Aires, na região periférica da cidade. A cada ano, no dia 07 de agosto, na memória litúrgica do santo, milhares de fieis colocam-se em fila para passar diante da estátua de São Caetano, beijar o vidro da pequena urna que o contém e fazer o sinal da cruz. A fila atravessa 15 ruas da cidade e dura todo o dia. A espera pode durar até mesmo 10 horas. A cada hora, no santuário celebra-se a santa missa. A celebração principal é a das 11h. Como arcebispo de Buenos Aires, o então cardeal Bergoglio presidia a celebração na festa de São Caetano e, ao finalizar a missa, percorria em sentido contrário a fila dos fieis para falar com eles, escutar as suas histórias e abençoar as crianças. Neste ano a missa de 11h será presidida por mons Mario Aurelio Poli, arcebispo de Buenos Aires e primaz da Argentina. Ao finalizar a celebração, também mons Poli saudará os peregrinos. O tema da festa deste ano é “Com Jesus e São Caetano vamos ao encontro dos mais necessitados”.(Ir ao encontro dos mais necessitados, parece esta a cultura proposta pelo Papa Francisco: escutar, ver e inclinar-se ao clamor dos mais pobres; descubrir suas dores e ir ao encontro deles para consolá-los. Com o Papa Francisco a Caridade deixa de ser "utopia" e quer tornar-se prática. Com o Papa Francisco fica evidente que o fim último da oração e das ações litúrgicas é a Caridade: o Amor pelos outros, principalmente pelos mais necessitados). Do 1 ao 9 de agosto, acontece as celebrações com uma novena de oração com intenções específicas para cada dia: família, governantes, pessoas que sofrem, defuntos, desempregados, solidariedade. 
A mensagem do Papa será transmitida ciclicamente na televisão católica de Buenos Aires (Canal 21) e em grandes telas na entrada do santuário a partir da meia noite local (as 5 da manhã na Itália) de forma que os fieis que se aproximem da fila possam vê-lo e escutá-lo.
Estas são as palavras do Santo Padre na mensagem:
***
Boa tarde!
Como todos os anos, depois de percorrer a fila, falo com você. Desta vez percorri a fila com o coração.(O Papa faz questão de dizer que está em comunhão com os fiéis da Argentina, nesta festa, ao dizer que participa com seu coração desta solenidade. Coração é o símbolo daquilo que o Papa Francisco mais preza e vive: o Amor! O Papa Francisco crê e vê Deus amando seus fiéis no Santuário San Caetano, e une-se a esse Amor, amando nesse mesmo Amor a todos. O Papa Francisco é só Amor, pleno de Amor, Deus que está nele e é Amor, transborda do coração do Papa. Este é o Papa do Amor! Deus está nele! Francisco é o Trono de Deus!). Estou um pouco distante e não posso compartilhar com vocês este momento tão lindo.(O Amor, ou seja, a Caridade, não enxerga defeitos, por isso o coração do Papa cheio de amor só vê a beleza deste momento). Agora que vocês estão caminhando rumo à imagem de São Caetano.(Dá um sentido mais alto às procissões). Para quê? Para encontrar-se com ele, para encontrar-se com Jesus. Mas hoje, o lema desta peregrinação, lema eleito por vocês, selecionado entre tantas possibilidades, hoje o lema fala de outro encontro, e diz: “Com Jesus e São Caetano, vamos ao encontro dos mais necessitados”. Fala do encontro das pessoas que precisam mais, daqueles que precisam da nossa mão, que precisam que lhes olhemos com carinho, que compartilhemos a sua dor ou suas ansiedades, seus problemas. Mas o importante não é olhá-los à distância, ou ajudá-los à distância. Não, não! É ir ao encontro. Isso é o cristão! Isso o que ensina Jesus: ir ao encontro dos mais necessitados. Como Jesus que ia sempre ao encontro das pessoas. Ele ia encontrá-los. Sair ao encontro dos mais necessitados. ( O Papa Francisco responde com um coração dócil aos ensinamentos de Jesus Cristo na parábola do Bom Samaritano, o Papa é o Bom Samaritano que Jesus quer que todos nós sejamos. Dá um sentido místico e sobrenatural à "opção preferencial pelos pobres". A Caridade sobrenatural do coração do Papa Francisco transforma em verdadeiro cristianismo esse marxismo. A Caridade do Papa derruba por terra o materialismo ateu e levanta em seu lugar a Cidade Divina: a Civilização do Amor!).
Às vezes eu pergunto a alguém:
- Você dá esmola?
Me dizem: "Sim, padre".
- "E quando dá esmola, olha para os olhos das pessoas a quem dá esmola?"
- "Ah,  não sei, não percebi."
- "Então não o encontrou. Jogou-lhe a esmola e foi embora. Quando você dá esmola, toca a mão ou joga-lhe a moeda?"
- "Não, jogo-lhe a moeda"
"E você não o tocou, e se não o tocou, não se encontrou com ele". ( A esmola deve ser um sinal de nosso Amor, ou seja, um sinal de nossa Caridade, que Deus é nossa Caridade, e que Deus está em nós e nos move ao Amor Misericordioso pelos mais pobres. Não basta dar esmolas, é preciso fazer o que ela significa: Amar! Este é o Novo Testamento, o Novo Mandamento: amai-vos una aos outros, etc. Francisco é o Papa da Caridade, foi enviado por Deus para dar comida aos pobres, para ensinar o mundo a dar pão para quem tem fome. No Livro do Apocalipse se lê que chegaria um dia em que haveria Novos Céus e uma Nova terra, onde não haveria mais fome, etc. Pois bem, Francisco é a Voz que veio tirar a fome do mundo! Com ele a Caridade de Nosso Senhor Jesus Cristo começou a acontecer, e os próximos Papas continuarão esta obra começada sempre mais perfeita: o Amor não para de crescer nunca!).
O que Jesus nos ensina é primeiro encontrar-nos, e no encontro, ajudar. Precisamos saber encontrar-nos. Precisamos edificar, criar, construir, uma cultura do encontro(cultura do Amor uns pelos outros, como ensinou Jesus). Tantos desencontros, problemas na família, sempre! Problemas no bairro, problemas no trabalho, problemas em todas partes. E os desencontros não ajudam(dos primeiros cristãos se dizia: "Vede como se amam!", dos de hoje pode-se dizer:"Vede como se odeiam!" É preciso mudar isso, é isso que o Papa faz.). A cultura do encontro. Sair para encontrar-nos. E o lema diz, encontrar-nos com os mais necessitados, ou seja, com aqueles que precisam mais do que eu. Com aqueles que estão passando um mal momento, pior que o que eu estou passando. Sempre existe alguém em pior situação do que eu, hein?, Sempre! Há sempre alguém. Então, eu acho que estou tendo um momento difícil, venho à fila para encontrar-me com São Caetano e com Jesus, e depois saio para encontrar-me com os demais, porque sempre há alguém pior do que eu. É com esses que nós temos que nos encontrar. (Propõe a Misericórdia aquele que vive a Misericórdia! E pensar que aqueles que propõem, defendem e professam uma santidade de vida exterior não conseguem enxergar nestas palavras do Papa o Espírito Santo, mas só enxergam erros e heresias! Hereges são aqueles que não enxergam o Espírito Santo nas palavras do Papa Francisco!).
Obrigado por escutar-me, obrigado por ter vindo aqui hoje, muito obrigado por tudo o que vocês tem no coração. Jesus os ama! San Caetano os ama!(O Papa crê firmemente que Jesus nos ama, que Jesus ama a todas as pessoas. O Papa crê e vê Deus nos amando sem sessar. Esta é a fé que devemos ter, a verdadeira fé!). Somente pede-lhes uma coisa: que se encontrem! Que vão e procurem e encontrem o que mais precisa! Mas não sozinhos. Com Jesus, com São Caetano!( Com o Papa Francisco também! Sim, querido Papa Francisco, queremos juntamente com Vossa Santidade ir ao encontro do nosso próximo, principalmente dos mais necessitados).Vou convencer o outro a fazer-se católico?( O Amor não é uma moeda de troca! Não se compra nosso próximo: devemos amar nosso próximo!). Não, não, não! Você vai encontrá-lo, é seu irmão! Isso basta! E vai ajudá-lo, o resto é Jesus que o faz, o Espírito Santo que o faz. Lembre-se bem: Com São Caetano, os necessitados, vamos ao encontro dos mais necessitados. Com Jesus, os necessitados, os que mais necessitam, vamos ao encontro dos que mais necessitam. E tomara que Jesus vá marcando-lhe o caminho para que você se encontre com quem mais necessita.(Sim, Papa Francisco, vamos ao encontro dos que mais precisam, vamos distribuir a Caridade de Deus!).
Quando o seu coração se encontra com aquele que mais necessita, começará a aumentar, aumentar, aumentar! Porque o encontro multiplica a capacidade do amor. O encontro com outro, aumenta o coração. Anime-se! “Não sei como fazer sozinho”. Não, não, não! Com Jesus e com São Caetano! Que Deus lhes abençoe e que termine bem o dia de São Caetano. E por favor, não se esqueça de rezar por mim. Obrigado.( Nosso coração precisa alargar-se, e só a Caridade pode fazer isso. Jesus nos ama, afirma o Papa. Ora, isso é uma verdade de Fé: Deus nos ama. Deus é Amor que se comunica, portanto, quem crê em Deus que é Amor, deve amar também!)
Tradução Thácio Siqueira
(07 de Agosto de 2013) © Innovative Media Inc.



sábado, 3 de agosto de 2013

O Papa e o Aborto!

http://www.portugues.rfi.fr/sites/portugues.filesrfi/imagecache/rfi_43_large/sites/images.rfi.fr/files/aef_image/ETO1039-Edit.jpg  "As mãos que apertaram as mãos do Papa, assinaram a aprovação do Aborto no Brasil!"
Alguns tradicionalistas perguntaram: "Que fez o Papa e os Bispos para que o aborto não entrasse - já entrou - no Brasil?" -  "Por que o Papa e os Bispos não levantaram a voz contra o aborto?"
Com essas "flechadas" e  "punhaladas" querem dizer que o "Papa e a Hierarquia pecaram por omissão", ao fazer silêncio sobre essa questão!
Uma coisa os tradicionalistas deveriam saber bem, o Papa não pode tomar decisões por ninguém, e certamente não se omitiu na luta pela vida, já que ele promoveu a cultura do Amor. Quem aborta não ama, e quem ama não mata!
Embora os Tradi não concordem, o Papa plantou uma semente que daqui a alguns anos produzirá frutos de vida e santidade. O Papa é um grande Revolucionário da Caridade: crê no Amor de Deus por nós, veio ao Brasil para nos Amar e ver Deus nos amando.
Deus nos ama e o Papa assistiu este Amor d'Ele por nós: "Tenham sempre no coração esta certeza! Deus caminha a seu lado, nunca lhes deixa desamparados!"(Homilia. Papa. Francisco, Aparecida, 24/07/13).
Mesmo que o aborto tenha sido aprovado pela Presidente Dilma, a pesar disso tudo, dessa derrota, Deus está conosco, e no final essa derrota que tivemos agora, se transformará em vitória que colocará os inimigos da religião de joelhos aos pés de Cristo: "O Senhor disse ao meu Senhor: senta-te á minha direita, até que eu ponha teus inimigos como escabelo de seus pés!"(Salmos).
Estaria ou não profetizado neste salmo a rendição dos inimigos de Cristo???!!!
A Cidade vencedora torna-se Senhora da Cidade vencida!
A Cidade vencida torna-se Escrava da Cidade Vitoriosa!
No fim desta luta que nós, a Cidade Católica, venceremos, nossos inimigos serão convertidos em fidelíssimos Escravos de Maria Santíssima através de nossa incondicional Caridade, porque só "a Caridade salva e converte!"(Beato João Paulo II).
Em Fátima Nossa Senhora disse: "Por fim o meu Imaculado Coração triunfará!"
Ora, o coração é o símbolo máximo da Caridade! Por fim a Caridade de Maria triunfará em todos os corações! No fim o Amor vencerá!
"Eu prego a Cristo, e Cristo crucificado!"(São Paulo).
Na Cruz a Caridade de Jesus vai às últimas consequências por nós, inclusive pelos inimigos da Cruz, que no final serão rendidos pela Caridade!
O Papa prega e vive a caridade de Jesus Cristo, basta comparar as pregações dele e de Bento XVI com os escritos de Santa Gertrudes, por exemplo, onde as pregações destes Papas foram a muito tempo atrás profetizadas.
Temos que começar a crer no Amor de Deus.
O Papa nos ama, e quando olha para nós, contempla e crê Deus nos amando.
Deus está com todos, inclusive com a Dilma, e não sessa de morrer por ela na Cruz, até que ela se renda ao Amor.
Se nós, a Cidade Católica, rezássemos o Rosário, como foi pedido por Nossa Senhora, o aborto não seria aprovado nem aqui nem em lugar nenhum !
Mas a luta continua, perdemos uma batalha, mas não perdemos a guerra!
Os abortistas são cadáveres ambulantes, mas Jesus deu à seus discípulos o poder de ressuscitar os mortos. Ora, para que nós ressuscitemos os mortos, devemos rezar por eles. Só a oração e o sacrifício dos Católicos converterá os ímpios e os pecadores!
Unamo-nos ao Papa nesta grande Revolução do Amor!
O Amor é o sinal do Cristão!
A Cruz é o sinal do Cristão, mas Cruz e Amor se identificam, são a mesma coisa, e São Paulo, que escreveu o Capítulo 13 de I Coríntios, repetidas vezes disse que pregava a Cristo crucificado, ou seja, um Deus de Amor, que nestes últimos tempos está sendo exaustivamente anunciado pelos últimos Papas!
"... O Senhor procura a todos, quer que todos sintam o calor da sua misericórdia e do seu amor!"(Papa Francisco, JMJ - RJ - 2013).
A Paixão de Jesus Cristo se repete hoje na Igreja e no mundo. Do mesmo modo que Jesus foi rejeitado antes, é também rejeitado agora. A mesma falta de fé de antes, repete-se também nestes tempos. Não acreditavam antes, não acreditam hoje. Era Deus o Homem que os judeus tinham a certeza que não era. É bom Papa o Bispo que os tradicionalistas têm certeza que não é bom Papa. Não acreditaram em Jesus antes, não acreditam no Papa hoje, e era Deus vivo e verdadeiro quem eles tinham a absoluta certeza que não era; do mesmo modo é Papa bom, e santo, o que eles acreditam que não é bom nem santo.
De Jesus se diz e está escrito: "como uma ovelha na mão do tosquiador, não abriu a sua boca!"(Is.): um silêncio que de forma alguma poderá ser confundido com omissão.
O Governo é o Tosquiador, e a Igreja a Ovelha!
"Padeceu sob o Poder de Pôncio Pilatos"(Credo). 
Também padece sob o Poder de Dilma & Cia.
Naquele tempo na Pessoa do Verbo Encarnado, nestes tempos na Igreja e nos Nascituros.
Pregando a Cruz de Cristo fez muito mais que levantar a sua voz, botou o machado à raiz, para que na Cruz de Jesus todos os seus inimigos sejam colocados como escabelo de seus pés (cf.Salmo).
Quem aborta não tem AMOR, e também não tém AMOR quem não defende a vida!
O Papa veio ao Brasil para implantar no coração de todos a cultura do AMOR.
O Papa veio ao Brasil para nos AMAR, e para ver Deus nos AMANDO!
Acreditemos firmemente no Deus que é Amor.
Vivamos o Amor de Cristo!
In Iesu.